15/10/2020

Fornecedor, uma nova categoria de produtor

Uma categoria ainda relativamente nova de produtor rural começa a ganhar dimensão com as oportunidades oferecidas por usinas no interior de São Paulo e outras regiões do país. Em recente viagem pela região oeste do estado vizinho, o Rally Cocamar de Produtividade foi saber como é isso.

 

Produzir para as usinas - O fornecedor, como é chamado no meio sucroenergético o arrendatário de terras que se especializa na produção de matéria-prima para as usinas, vai ganhando espaço com a tendência de essas companhias reduzirem sua operação na área agrícola para concentrar esforços e investimentos em suas estruturas industriais.

 

Já nasce grande - Assim, a figura do fornecedor – que nem sempre possui terras, mas cultiva grandes extensões com apurada visão empresarial e as mais avançadas tecnologias – vai se tornando comum.

 

Nova Agro - Sediado em Presidente Prudente (SP), o engenheiro agrônomo Fabiano Pontes fez carreira como diretor em usinas e há três anos, vislumbrando a oportunidade, decidiu começar o próprio negócio: fundou a Nova Agro para produzir cana em terras arrendadas junto a indústrias do setor. Pontes cultiva 14 mil hectares na soma das áreas em três estados, distribuídas pelo Pontal do Paranapanema, no oeste paulista, a região de Astorga, no norte do Paraná, e ao redor de Naviraí, ao sul do Mato Grosso do Sul.

 

Reduzir - Segundo ele, algumas usinas começam a diminuir sua presença na produção de matéria prima, mas devem, por questão estratégica, preservar uma participação de 40%, cuidando de canaviais num raio de até 40 quilômetros de distância das unidades industriais.  

 

Mais uma oportunidade - Além do potencial para continuar crescendo como fornecedor no segmento canavieiro, Pontes se deparou mais recentemente com uma nova oportunidade para diversificar os negócios e avançar ainda mais rápido: o programa de renovação de áreas de cana e pastagens que vem sendo implementado pela Cocamar no Pontal do Paranapanema.

 

Todos ganham - Neste ano a cooperativa de Maringá (PR) arrendou cerca de 20 mil hectares de três usinas – Cocal, Atvos e Umoe Bioenergy, situadas respectivamente em Paraguaçu Paulista, Teodoro Sampaio e Sandovalina – e repassou para um grupo de 70 produtores cooperados que selecionou em seu quadro, para fazer a rotação com soja. Um bom negócio para todos: além da economia, as usinas ganham com a recuperação da fertilidade do solo e o consequente aumento da produtividade dos canaviais; os produtores, por sua vez, têm a chance de ampliar suas áreas de cultivo de soja, ao passo que a Cocamar, responsável pela organização dessa nova fronteira e a prestação de orientação técnica nas lavouras, se beneficia ao fornecer os insumos e receber a produção, cumprindo a função social de gerar mais renda aos cooperados.

 

Soja, um bom negócio - Pontes, que já havia arrendado 1,4 mil hectares junto a Atvos, em Teodoro Sampaio, incorporou mais 1 mil hectares no mesmo município, disponibilizado pelo programa da cooperativa. Ele conta que, até algum tempo, tinha receio de investir na renovação dos canaviais com soja, por ser esta uma cultura sem tradição na região. No entanto, quando soube que a iniciativa se encontra ancorada na Cocamar, não hesitou em participar. “Fazer a reforma das áreas com soja é atraente, também, pela rentabilidade que a cultura oferece no momento”, afirma.

 

Rotação - A cada cinco anos, quando termina o ciclo natural da cana, as áreas passam por uma rotação com a finalidade de recuperar a fertilidade do solo e também de quebrar o ciclo de pragas e doenças. “É uma limpeza”, diz Pontes, que planejou suas atividades para renovar 15% de canaviais a cada ano.

 

Apostar na oleaginosa - “Com a segurança oferecida pelo programa eu pretendo, a partir de agora, fazer toda essa renovação com soja”, acrescenta o produtor. Ele informa que vem se estruturando para, nos próximos anos, ter condições de cultivar entre 4 a 5 mil hectares com a oleaginosa. Segundo Pontes, depois de passar pela rotação, o solo possibilita que o canavial tenha um aumento médio de produtividade de 10% durante o novo ciclo.

 

Velocidade - Coordenador do programa da Cocamar, o gerente de negócios Marco Antônio de Paula comenta que a adesão à iniciativa de produtores de grande porte como Fabiano Pontes, tende a imprimir ainda mais velocidade à expansão da renovação das áreas de canaviais e pastagens. “O potencial de crescimento é muito grande”, afirma. Além do interesse das usinas em oferecer cada vez mais terras para a reforma de canaviais, um estudo da própria cooperativa aponta que somente nas regiões vizinhas de solos arenosos do noroeste do Paraná, oeste de São Paulo e sul do Mato Grosso do Sul, haveria ao menos sete milhões de hectares, grande parte dos quais ocupados por pastagens – em sua maioria degradados.

 

Revitalizar as áreas - “De um lado, há enormes extensões de pastagens com baixo retorno econômico, conduzidas com práticas ultrapassadas. De outro, temos a solução para revitalizar essas áreas com modernas tecnologias e ampliar substancialmente a média de produtividade da pecuária”, enfatiza de Paula.

 

Interesse - Ele comenta que a segurança e os resultados oferecidos pelo programa de renovação de áreas de canaviais e pastagens conduzido pela Cocamar e seus parceiros, têm atraído um número cada vez maior de produtores interessados em aderir.

 

Forte expansão - O histórico do próprio programa deixa isso claro. No ciclo 2019/20, quando foi realizado como piloto, eram 5,2 mil hectares e 19 produtores. Nesta temporada 2020/21, já são 25 mil hectares entre áreas de cana e pastos e a tendência é que continue avançando em escala geométrica nos próximos anos.  

 

Sobre o Rally Cocamar de Produtividade

 

Patrocinam a sexta edição do Rally Cocamar de Produtividade: Fairfax Brasil Seguros Corporativos, Viridian Fertilizantes, Sicredi União PR/SP, Basf e Zacarias Chevrolet (principais), Texaco Lubrificantes, Estratégia Ambiental, Cocamar Máquinas, Cocamar Irrigação, Nutrição Cocamar e Zoetis (institucionais), com o apoio do Comitê Estratégico Soja Brasil (Cesb), Aprosoja-PR e cooperativa de serviços de agronomia Unicampo.



Maringá - PR 29/10/2020 Min. 19 ºC Max. 25 ºC
Tempo fechado e chuvoso
Maringá - PR 30/10/2020 Min. 19 ºC Max. 25 ºC
Sol