05/08/2022

Cooperativas discutem como avançar no controle da cigarrinha

Representantes da Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná) e de várias cooperativas paranaenses reuniram-se na manhã de quinta-feira (28/7) em Maringá, na sede da Cocamar, para um alinhamento sobre como enfrentar um problema que tem causado grandes prejuízos aos produtores: o ataque da cigarrinha, causadora do enfezamento na cultura do milho. 

 

 

As cooperativas - Além da Cocamar, participaram Copacol, C,Vale, Integrada, Coamo, Lar, Coopavel e CooperTradição. 

 

 

Avaliação - Conforme explicou Silvio Krinski, coordenador de desenvolvimento técnico da Ocepar, um dos objetivos foi ouvir as cooperativas para uma avaliação geral de quanto esse problema tem impactado nas diferentes regiões do estado. “A preocupação é geral”, disse. 

 

 

Ações - Além de ações realizadas em parceria com a Embrapa, para trabalhar com materiais mais resistentes, bem como um manejo adequado, as cooperativas investiram na capacitação de suas equipes técnicas e têm realizado dias de campo para levar informações aos cooperados. 

 

 

Evolução - Foi proposto durante a reunião manter uma rede de monitoramento como estratégia para acompanhar a dinâmica da praga e o complexo enfezamento nas regiões do estado. Silvio informou também que, no próximo mês, o assunto será levado para discussão no Plano Paraná Cooperativo, o PRC200.  

 

 

Afetadas - “Os cooperados aumentam seu custo de produção com mais aplicações e sem que isso seja garantia de bom resultado”, afirmou o coordenador, lembrando que todas as regiões do Estado estão sendo muito afetadas. 

 

 

Comunicação - Para fazer frente ao desafio, houve o consenso, durante a reunião, de que esse trabalho precisa adotar também uma comunicação mais estratégica e pontual com os cooperados, para a eliminação de plantas voluntárias, o chamado milho tiguera, que funcionam como hospedeiras da cigarrinha. 

 

 

Sensibilizar - “Temos que fazer uma ação maciça de comunicação em determinados períodos do ano, no sentido de que os produtores sejam sensibilizados sobre as ações prioritárias a serem tomadas", pontuou Silvio, assinalando que a eficácia do controle depende da erradicação das plantas tigueras por parte de todos.